Prefeitura de São Carlos adere a 4a edição do Programa Pró-equidade de Gênero e Raça PDF Imprimir E-mail



 

O Programa Pró-equidade de Gênero e Raça objetiva promover a igualdade de oportunidades e de tratamento entre homens e mulheres nas organizações públicas e privadas e instituições por meio do desenvolvimento de novas concepções na gestão de pessoas e na cultura organizacional.

As empresas e organizações públicas e privadas desenvolvem o programa durante 12 meses (execução do Plano de Ação). Para receberem o Selo Pró-Equidade de Gênero e Raça é preciso que obtenham o mínimo de 70% de execução das ações pactuadas e qualitativamente obter um desempenho satisfatório ou muito satisfatório.

O Selo Pró-Equidade de Gênero e Raça representa o reconhecimento do trabalho feito pelas organizações no desenvolvimento cotidiano de novas concepções de gestão de pessoas e cultura organizacional para alcançarem a equidade entre homens e mulheres no mundo do trabalho, eliminando todas as formas de discriminação, evidenciando publicamente o compromisso da organização com a equidade de gênero e etnicorracial na promoção da cidadania e a difusão de práticas exemplares no mundo do trabalho para a efetivação da equidade.

O Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça é uma iniciativa do Governo Federal, que, por meio da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República – SPM/PR e do II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres, reafirma os compromissos de promoção da igualdade entre mulheres e homens inscrita na Constituição Federal de 1988, conta com o apoio da Entidade das Nações Unidas para Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres (ONU Mulheres) e da Organização Internacional do Trabalho – (OIT - Escritório Brasil).

Mais informações em:http://www.sepm.gov.br/subsecretaria-de-articulacao-institucional-e-acoes-tematicas/pro-equidade
 
Prefeitura de São Carlos recebe selo por práticas de equidade de gênero PDF Imprimir E-mail
No dia 8 de dezembro de 2010, o prefeito Oswaldo Barba recebeu, em Brasília, o selo da terceira edição do Programa Pró-Equidade de Gênero. Na categoria de municípios, dez cidades do país receberam a homenagem. Deste total, somente duas prefeituras do Estado de São Paulo: São Carlos e Guarulhos.

De acordo com a Secretaria de Políticas para Mulheres do Governo Federal, o selo é o reconhecimento do esforço feito pelas organizações na implementação em seu cotidiano de práticas de equidade de gênero. O programa propicia às empresas promover mais cidadania e a difusão de práticas exemplares das organizações públicas e privadas de oportunidades iguais e respeito às diferenças no mundo do trabalho.

A cerimônia contou com a presença da ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM), Nilcéa Freire, da diretora do Escritório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) no Brasil, Lais Abramo e da diretora regional do Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher (Unifem), Rebeca Reichmann Tavares.

Segundo o prefeito Oswaldo Barba, a Secretaria de Políticas para Mulheres do Governo Federal destacou as ações realizadas pela Prefeitura de São Carlos. “Este prêmio é muito importante porque demonstra o reconhecimento do trabalho feito pela Prefeitura nesta área. Durante a entrega do selo foi citada a atualização que nós fizemos de todo o banco de dados dos servidores municipais, com ênfase no quesito raça/cor”.

De acordo com a chefe da Divisão de Políticas para as Mulheres de São Carlos, Raquel Auxiliadora dos Santos, que também participou da cerimônia, as ações do município também foram registradas em uma publicação do Governo Federal. “Esta publicação foi distribuída durante a cerimônia. Com o nome “Programa Pró-Equidade de Gênero – Histórias e Trajetórias (2005-2010)”, o material destacou três iniciativas da Prefeitura de São Carlos: a atualização do banco de dados dos servidores municipais, as ações educativas sobre raça e etnia para subsidiar este recadastramento e a inserção dos conteúdos sobre a equidade de gênero nas oficinas de acolhimento aos funcionários e funcionárias”.

O SELO
Neste ano 88 organizações se inscreveram e 71 participaram do programa. Das organizações participantes, 29% são do setor de minas e energia, 28% da administração pública direta e 43% são de outros setores.

Durante a cerimônia foi criado o Fórum Nacional da Igualdade no Trabalho (FONIT), com previsão de ser implementado no próximo ano. A proposta do Fórum é ser um espaço permanente de reflexão, comunicação de ideias e de proposição sobre a relação gênero e trabalho entre governos, classe trabalhadora, empresarial, universidades, associações profissionais, sindicatos, organizações não governamentais, organizações de mulheres entre outras.

O PROGRAMA
Dirigido a empresas e instituições de médio e grande porte dos setores públicos e privados, tem como objetivo contribuir para a eliminação de todas as formas de discriminação no acesso, remuneração, ascensão e permanência no emprego. O projeto visa intervir na cultura organizacional e na gestão de pessoas das organizações, de forma a gerar mudanças no interior das empresas rumo a construção da equidade entre homens e mulheres no mundo do trabalho.